Sahifa fully responsive WordPress News, Magazine, Newspaper, and blog ThemeForest one of the most versatile website themes in the world.

Inverno com cara de verão

Baixas temperaturas aumentam o número de cirurgias plásticas no Brasil

Publicado no dia 22 de maio de 2017 no site “Pele em Pauta”

Parece verão – a busca por corpos sarados, pele perfeita, dietas da moda e mil procedimentos estéticos. Mas não, estamos falando de inverno. Uma das épocas do ano em que mais de 50% da população corre para os consultórios médicos, em busca de cirurgias plásticas. Esses dados fazem parte de uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e esses números tendem a crescer consideravelmente graças aos benefícios que a estação mais fria proporciona aos pacientes

cirurgião plástico Roger Vieira, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e da American Society of Plastic Surgeons (ASPS), destaca que “durante o frio, a dilatação dos vasos e a retenção de líquido é menor, proporcionando a redução do inchaço. Além disso, o inverno contribui para que o pós-operatório seja mais confortável para o paciente, já que, muitas vezes, é necessário o uso de cintas de compressão”. A pouca exposição ao sol também ajuda nesse processo de recuperação, pois evita manchas na pele e a acentuação de possíveis cicatrizes. Os meses de junho e julho também favorecerem as cirurgias, pois a época coincide com as férias de trabalho, o que facilita o acompanhamento de perto do pós-operatório por familiares e amigos.

Porém, é importante destacar que o resultado dos procedimentos realizados não tem nenhuma relação com o período do ano em que é realizado. “É importante que o paciente entenda que os resultados estão diretamente ligados às recomendações que fazemos no pós-operatório. Também é fundamental verificar se o profissional escolhido para realizar a cirurgia está apto e registrado na SBCP”, destaca Vieira. Ele conta ainda que, de acordo com pesquisas da Sociedade, 94% dos erros médicos foram cometidos por profissionais que não são especialistas em cirurgia plástica. “Por isso, a atenção deve ser redobrada”, enfatiza o médico.